Volta às aulas: Crianças com alergias alimentares o que você precisa saber

alergias alimentares

Por Bianca Kirschner

A volta às aulas traz novos desafios para as famílias com crianças com restrições alimentares. É um novo ano escolar que se inicia com novos professores e algumas vezes novos coleguinhas.

Conversamos e pedimos dicas para 4 mães mobilizadoras na causa de alergias alimentares, para elas compartilharem com a gente como que fazem para lidar com esse retorno ou início das aulas.

Adriana, Aline, Ana e Elisabete contam suas histórias de coragem, dedicação e muita criatividade e amor.

O resultado foi bem bacana e você acompanha nessa reportagem especial.

Disseminação de conhecimento: esta é a conexão para um mundo mais inclusivo para os alérgicos alimentares.

Adriana Costa Roriz
Goiania-GO
Nutricionista
@adrianacosta.nutri

Mãe de um menino de 8 anos que possuía alergia alimentar múltipla, mas hoje está tolerante. Adriana era personal trainer/educadora física quando o filho teve diagnóstico de alergia alimentar múltipla; aos 3 anos, tinha alimentação quase exclusiva com uma fórmula de aminoácidos livres. Decidiu voltar a estudar e ingressou no curso de nutrição para se especializar na área.

Dicas para a volta às aulas

– A família da criança alérgica sempre deve avisar a direção da escola e os professores sobre a alergia alimentar do(a) filho(a).

– É importante avisar também outras mães e famílias, alertando sobre as possíveis reações e riscos.

– Esses contatos devem ser feitos através de grupos de WhatsApp para envio de informações ou em um encontro na sua casa para conversar sobre alergias alimentares.

– Peça que, se for possível, escola/professor avisem com antecedência sobre aniversários ou outras comemorações para que você possa se preparar e de alguma forma e incluir seu(sua) filho/filha na comemoração, mandando alimentação similar para seu(sua) filho(a).

– Ao fazer isso, com o tempo, algumas mães já se prontificam a mandar um lanche especial para o seu filho no dia da festinha.


Aline Vieira Barra Maia
Campos dos Goytacazes – RJ
Fisioterapeuta
@delicias_da_nine


Casada com alérgico alimentar, mãe de 2 filhos também alérgicos, confeiteira inclusiva, criadora e proprietária da Delícias da Nine, 40 anos, alérgica alimentar múltipla e muito feliz.

“Fui diagnosticada aos 23 anos. São mais de 17 anos de dieta, testando receitas e mais receitas. Entre erros e acertos, cheguei em receitas perfeitas criadas e adaptadas por mim de acordo com as restrições do meu filho, que eram muitas. Conheci meu marido aos 27 anos e logo descobri que ele também era alérgico alimentar. Parecia o destino unindo 2 alérgicos para caminharem juntos com restrições e receitinhas caseiras deliciosas. Em 2009, quando eu estava com 30 anos, nasceu meu primeiro filho, também com alergia alimentar. Em março de 2017, de tanto as pessoas pedirem e elogiarem minhas delícias, eu resolvi criar a Delícias da Nine.”

“Atendemos às mais diversas restrições, o importante é incluir alérgicos, celíacos e intolerantes.”

“Produzimos tudo sem lácteos, sem glúten, sem soja e sem ovo. São quase 3 anos realizando sonhos e incluindo crianças e adultos. Descobri uma nova profissão que me realiza vendo pessoas mais felizes através das minhas delícias. Em 2019, nasceu minha filha e ela também é alérgica alimentar. E assim vamos caminhando com muitos desafios e muitas vitórias, graças a Deus.”

Dicas para a volta às aulas

– Enviar lanches para a criança alérgica compartilhar com os amiguinhos.

– No aniversário da criança alérgica, só colocar coisas que ela possa comer para que ele veja que os amigos também gostam do que ele come e assim ele se sente incluído no ambiente.

– Cuidado com tintas: canetas e massinhas porque podem conter alérgenos e causar uma reação grave.


Ana Daniela Canindé
Manaus – AM
Socióloga
@dani_caninde


Mãe do João Fabrício (12 anos) e do Daniel Henrique (9 anos).

“Os amores da minha vida! Acredito e luto por um mundo mais consciente e inclusivo. Alergia alimentar é algo sério e merece atenção, carinho e respeito. Sejamos luz!”

“Daniel tem alergia à proteína do leite de vaca (APLV), frutos do mar (ambas grau máximo), alergia a ovo (moderada) e é sensível a traços e cheiro.”

“João tem alergia a corantes artificiais, principalmente ao tartrazina, alimentos enlatados e alguns tipos de conservante.”

“Ambos têm outras alergias não alimentares também, como as respiratórias e de contato.”

Dicas para a volta às aulas

– Antes das aulas começarem, o mais importante é conversar com os professores, equipe pedagógica e demais profissionais que acompanharão a criança na escola; levar a conscientização sobre a alergia e informações sobre cuidados e principalmente a inclusão dessa criança nas atividades escolares, festinhas, aulas de culinária, etc.

– Preparar uma pasta contendo laudo médico, exames, plano de ação em caso de “acidentes”, orientações sobre o uso da adrenalina autoinjetável, cópia do cartão do plano de saúde, cópia do RG, contato do pediatra e dos responsáveis e informativos com opções de substituições em determinadas atividades escolares e culinária (leite, ovo…).

– Sempre levar na mochila uma bolsinha com os medicamentos (corticoide, antialérgico, adrenalina, outros).

– Orientar tanto a criança quanto a escola, professores e demais funcionários que a mesma só poderá consumir o que levar na lancheira, caso a escola não dê garantias quanto à segurança dos alimentos lá fornecidos (o que costuma acontecer).

– Entrar em contato com os fabricantes de material escolar (massa de modelar, tintas, giz de cera…) e confirmar por e-mail quais são os “limpos” e que podemos usar com segurança.

– Conversar com a professora sobre as atividades em sala de aula que apresentam possíveis riscos, principalmente culinária e materiais recicláveis (caixa de leite, de ovos, embalagens de iogurte…).

– Solicitar aviso com antecedência sobre festinhas e lanches coletivos para poder providenciar algo seguro para a criança comer e confraternizar com os colegas. A ajuda dos outros pais nesse sentido também é importante, então aproveite as reuniões de pais/escola para abordar o assunto; eles costumam ser bem solidários.

– Fale sempre de inclusão, tentando mostrar à escola o quanto é importante o cuidado de não separar a criança dos colegas nas festinhas ou durante o lanche, tentando adaptar o ambiente com segurança e acolhimento. Se todos tiverem mais empatia, o mundo com certeza será um lugar melhor.


Elisabete Silva
ABC Paulista
Administradora de empresas, atua em recursos humanos
@bete_novoolharaplv

Mãe de Aline, 22 anos, alérgica à picada de formiga, e Murilo, 05 anos, alérgico à proteína do leite de vaca (APLV).

“Luto por conscientização e inclusão para quem convive com APLV. A falta de informação é imensa. Hoje, tem o conhecimento da intolerância à lactose e quase nada da alergia à proteína do leite de vaca. Precisamos urgente dessa conscientização. Hoje, não temos uma lei que nos ampara, como a Lei de Lucas, que obriga funcionários e professores a se capacitar em primeiros socorros (sancionada em 2018, a lei nº 13.722/2018). Da mesma forma, deve-se saber identificar reações alérgicas e o treinamento da aplicação da adrenalina autoinjetável. Essas e outras são minhas batalhas para tornar lei.”

Dicas para a volta às aulas

– Ter a consciência do grau da alergia do seu filho. Sabemos que tem alérgico que reage ao toque ou cheiro.

– Ter o plano de ação, que é individual. Conversar sempre com seu filho. Ensiná-lo a questionar, a falar da sua alergia.

– Ter na primeira semana de aula algo que identifica a criança alérgica (para alertar todos da escola – administrativo/ amiguinhos/professores/cozinheiras).

– Conversar com todos da escola, principalmente com a nutricionista e todos envolvidos no preparo das refeições, até o responsável da compra dos alimentos.

– Obter informação sobre alimentos, receitas novas e alimentação que não podem mais por conta da alteração das indústrias; é necessário ter essa troca.

– Utilizar o grupo de WhatsApp com as mães da sala de seu filho. Conseguimos informar, ajudar e saber das festinhas.

– Sempre ter em mente: união de todos faz toda diferença.

Via: Conexão Alimentar

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados.